Quais-são-os-custos-logísticos-no-transporte-rodoviário
Custos e processos logísticos

Quais são os custos logísticos no transporte rodoviário?

O transporte rodoviário é o principal modal no Brasil e já não é novidade dizer que os custos logísticos envolvidos nessa operação são bastante elevados e que eles impactam muito o setor financeiro das empresas. No entanto, é válido apontar que esses custos podem ser otimizados.

De acordo com o Plano de Transporte e Logística da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), divulgado pelo Correio Braziliense, os custos com a logística nesse modal alcançam 11,6% do Produto Interno Bruto (PIB). Nos Estados Unidos, o resultado é de 8,7%.

Essa situação implica aumento do preço final das mercadorias, o que significa que, se os custos não forem bem gerenciados, o caixa da sua empresa vai sofrer os impactos negativos.

É por isso que este artigo mostrará os principais valores relacionados à logística no transporte rodoviário e algumas sugestões para otimizá-los por meio de processos e recursos facilitadores. Então, vamos lá?

Os principais custos logísticos no transporte rodoviário

Há diversos custos que impactam esse processo. Confira os mais importantes:

Custos de coleta, transferência e entrega

São divididos em fixos e variáveis. Os primeiros não sofrem variação de acordo com a distância percorrida. Eles existem mesmo que o veículo fique parado e são calculados todos os meses. Alguns exemplos de custos fixos são: salário do motorista, licenciamento, reposição do veículo, seguro e remuneração do capital empatado.

Já os custos variáveis são aqueles que alteram conforme a quilometragem rodada. É o caso, por exemplo, dos acessórios, das peças de manutenção, dos lubrificantes, do combustível, das recauchutagens e dos pneus. O estado das rodovias também influencia nesse valor, como você pode ver no nosso infográfico.

Despesas indiretas

São as despesas administrativas indiretamente relacionadas à operação do veículo. Variam de acordo com o volume de carga movimentada. Dividem-se em:

  • encargos e salários de colaboradores que não estão envolvidos diretamente com a produção: setores de vendas, administrativo e comercial, por exemplo;
  • despesas necessárias para o funcionamento empresarial, como é o caso de impostos, aluguel, entre outros.

Custos relacionados ao valor

Referem-se à gestão do risco de avarias, acidentes e roubos. Dividem-se em dois grupos:

  • gerenciamento do risco de acidentes e avarias: é o chamado frete valor, que agrega uma quantia para o transporte de mercadorias e é composto por diferentes elementos, como administração de seguros, segurança interna, indenização por extravios, danos, perdas e riscos não cobertos por seguro;
  • custos de gerenciamento de risco de roubos (GRIS): estão relacionados à segurança da carga e incluem seguro facultativo, salários, investimentos (por exemplo: reposição de equipamentos e sistemas de rastreamento) e gastos operacionais (como escoltas e bilhetagem).

Outros custos

Relacionam-se às despesas que não estão ligadas ao volume ou ao peso da carga. Entre eles estão:

  • custo de permanência da carga: incide com a necessidade de armazenagem depois do quinto dia útil;
  • custo de cubagem: ocorre com cargas de baixo peso e lotam o veículo antes de atingir o limite máximo;
  • custo de devolução de mercadorias: é cobrado quando a mercadoria é devolvida ao destinatário;
  • reentrega, segunda e terceira entregas: são custos que incidem a cada nova tentativa de repasse ao comprador;
  • custo de estadia do veículo: são gerados quando o caminhão fica parado por tempo maior que o esperado;
  • custo de administração da Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz): são invisíveis e gerados devido aos procedimentos adotados. Os transportadores são ressarcidos pela Taxa de Administração da Sefaz (TAS);
  • custo de dificuldade de entrega: incidem quando o repasse ao consumidor é difícil;
  • custos de restrições ao trânsito: ocorrem quando há limitações à circulação dos veículos ou às atividades de carga e descarga.

O impacto dos custos logísticos no setor financeiro empresarial

A logística é um dos grandes desafios existentes no Brasil. Um estudo da Fundação Dom Cabral indica que 85,6% das empresas no Brasil têm alto nível de dependência das rodovias. O transporte de longa distância é o fator mais representativo, com 44% de influência.

É importante citar que o modal rodoviário é o mais utilizado no país, com 81,7% de preferência. Por isso, 40% dos representantes de empresas entrevistados na pesquisa acreditam que a melhoria das estradas é relevante para reduzir os impactos logísticos.

Mesmo assim, 69,1% dos entrevistados acreditam que as rodovias brasileiras são ruins. Além disso, os impostos, a corrupção e a infraestrutura inadequada são os principais elementos que reduzem a competitividade da logística no Brasil.

Além disso, a mão de obra trouxe impactos significativos para a composição do custo logístico. Para 62,4% das empresas, essa questão ocasiona um aumento extra para seus setores financeiros.

É importante deixar claro que o custo com a logística impacta de maneira mais significativa as empresas que dependem apenas do transporte rodoviário. Um dos motivos disso é a elevação do valor do óleo diesel.

A otimização dos custos logísticos

O conhecimento sobre esse contexto evidencia a necessidade de pensar sobre a otimização dos custos relativos à logística. A ideia é reduzi-los e criar um plano de ação que possibilite aprimorar as diferentes etapas da cadeia de suprimentos.

Veja algumas ideias do que você pode fazer:

Mapeie os processos

As rotinas produtivas devem ser padronizadas para que todos realizem o trabalho da mesma forma. Ao mapear os processos é possível analisar as sequências operacionais e adotar práticas eficientes, que evitem restrições e gargalos.

Essa avaliação ainda possibilita o redesenho do layout produtivo a fim de reduzir o tempo das atividades e otimizar o uso dos recursos. Lembre-se de revisar o planejamento com frequência, de buscar métodos para melhorar as tarefas e de incorporar as boas práticas à rotina.

Automatize as tarefas

A execução manual das tarefas pode ocasionar retrabalho e erros que levam ao aumento de gastos. Isso significa que as tarefas burocráticas e repetitivas impactam o preço final dos produtos, o que diminui a lucratividade e a competitividade da sua empresa.

A ideia da automatização é usar sistemas que executem as tarefas manuais com mais eficiência. Com isso, a equipe pode focar atividades estratégicas.

Use sistemas integrados

Os softwares logísticos são bons aliados dos processos, pois concentram um grande volume de dados e permitem um monitoramento em tempo real. A consequência é uma informação mais qualificada e atualizada, que permite que o gestor tome decisões de modo mais preciso.

O sistema integrado evita que os dados fiquem duplicados e que haja perdas, desencontros e erros. Ele também aumenta a visibilidade e a eficiência das tarefas, por exemplo, facilita o controle de estoques, a previsão de demandas, o monitoramento de indicativos de performance e o estudo das melhores rotas de distribuição.

Tenha um bom relacionamento com os fornecedores

Esses parceiros são fundamentais para que a empresa possa comercializar seus produtos com eficiência. Eles devem ter qualidade e garantir a entrega dos produtos no prazo e com o melhor custo-benefício.

Usar um sistema de e-procurement ajuda a realizar cotações, automatizar o fechamento de contratos e aprimorar as negociações. O bom relacionamento com os fornecedores também permite a conquista de outros benefícios — como descontos, melhores condições de pagamento e envios mais rápidos.

Adote boas estratégias de armazenagem, distribuição e controle de estoques

A empresa deve equilibrar os itens disponíveis em estoque com a falta de materiais, que pode ocasionar a perda de vendas. Isso pode ser feito por meio da tecnologia e do monitoramento de indicadores — estes ajudarão a traçar as estratégias mais adequadas.

Com o cross docking, por exemplo, a empresa consegue trabalhar com o estoque mínimo, dispensando a necessidade de armazenagem. O resultado é a redução de custos e a implementação de um fluxo contínuo de produção.

Como você pôde perceber, as empresas sofrem com o impacto dos custos logísticos, mas é possível diminuí-los. Veja este infográfico e continue aprendendo a reduzir os gastos com esse setor. Não perca!

FAÇA UMA COTAÇÃO COM A CARGOX

Artigos relacionados

Mais
Transporte de carga

Custos operacionais do transporte de carga

Quem atua diretamente com logística tem que lidar com inúmeros desafios, que vão desde a redução no custo do frete […]

Categoria: Custos e processos logísticos
Mais
8-dicas-para-economizar-no-seguro-de-transportes-de-carga

8 dicas para economizar no seguro de transportes de carga

De 2011 a 2016, o roubo de cargas nas estradas brasileiras causou um prejuízo de mais de R$ 6 bilhões. […]

Categoria: Custos e processos logísticos
Mais
redução de custos logísticos

Redução de custos logísticos: a tecnologia como aliada para maior produtividade

Com a o passar do tempo e a evolução da logística no Brasil, vimos a tecnologia se tornar um fator […]

Categoria: Custos e processos logísticos
Estamos ajudando milhares de profissionais de transporte com nossos conteúdos. Inscreva-se também

Estamos ajudando milhares de profissionais de transporte com nossos conteúdos. Inscreva-se também