Segundo CargoX, falta de talentos e obstáculos em contratações prolonga crise econômica

Escrito por Ana Beatriz

Data: 03/02/2017

“Uber do transporte de cargas” possui 600 vagas abertas, mas encontra dificuldades na seleção de profissionais qualificados

São Paulo, novembro de 2016 – Após um longo período de pessimismo, as perspectivas econômicas sobre o Brasil começam a se tornar positivas, diversos especialistas acreditam que a retomada de crescimento ocorrerá em breve. Um dos cenários que deve ganhar força com essa mudança é o de criação de vagas de emprego, a CargoX  – transportadora que opera conectada em tempo real a uma rede de mais de 100 mil caminhoneiros autônomos -, é um das empresas que já iniciou esse movimento de contratação. No início de novembro abriu o processo seletivo de 600 vagas em diversos setores, entretanto a companhia vem sentindo dificuldade na seleção dos novos profissionais, fatores como a escassez de talentos que diferencie o candidato e o pouco potencial de adaptação ao crescimento da empresa demonstrado por eles, se destacam.  

A empresa realizou uma análise e identificou que para a área de engenharia, por exemplo, são necessários cerca de 50 candidatos para que uma vaga seja preenchida. No setor de marketing esse número é mais baixo, mas ainda assim impressiona, perto de 45 entrevistas para que um profissional seja contratado.  “Nós buscamos profissionais com talento e com diferenciais que ressaltam sua individualidade, mas em um perfil que não fuja das possibilidades reais. Temos dificuldade, vemos que os candidatos não conseguem ser inovadores, que não alcançam em muitas vezes nossa linha de corte” detalha Federico Vega, CEO da CargoX.

Para realizar a triagem dos candidatos a transportadora utiliza diversas ferramentas e empresas de recrutamento, fazendo com que o volume de pretendentes seja elevado, entretanto as etapas internas acabam eliminando grande parte deles. Segundo o executivo, esse longo processo atrapalha a indústria como um todo, retardando a recuperação da economia. “Para que exista uma contratação são realizados investimentos, aplicação de esforços e outros fatores, quando os candidatos não correspondem a pontos técnicos ou de gestão comportamental, temos que refazer tudo e vemos que muitas falhas existem na parte do candidato e não da triagem” declara.  

Federico conclui sinalizando que quanto mais “adaptável” for o profissional, maior valor agregado ele irá possuir, pois por mais tempo ele se manterá ativo.  “Nós somos uma empresa de tecnologia e mudamos de fases de forma muito intensa, buscamos profissionais que se encaixem na maior parte dessas fases, pois assim temos continuidade e podemos valorizar eles por sua relação com a companhia. Atualmente não estamos localizando profissionais assim, eles pensam no curto prazo”.

Sobre a CargoX

CargoX, (https://cargox.com.br), é a primeira transportadora do Brasil sem frota própria, baseada em tecnologia e inovação, operando conectada em tempo real, por meio de um aplicativo próprio, a uma rede de mais de 100 mil motoristas autônomos. Lançada oficialmente em março deste ano e considerada como a “Uber do transporte de cargas”  a empresa é pautada pelas diretrizes  agilidade, flexibilidade e qualidade na experiência do contratante do serviço,  além de responsabilidade pelas cargas transportadas.  Atualmente, atende todas as regiões do país e com crescimento médio de 57% ao mês espera faturar no primeiro ano de atuação cerca de R$ 48 milhões.