CargoX estuda aquisições para ampliar atuação e intensificar crescimento no Brasil

Escrito por Ana Beatriz

Data: 10/11/2016

“Uber do transporte de cargas” acredita em modelo de expansão acelerada e visa aquisições de pequenas e médias transportadoras

São Paulo, novembro de 2016 – O mercado utiliza o processo de fusões e aquisições para alcançar crescimentos acelerados e sustentáveis, muitas das companhias realizaram diversos estudos antes da primeira oferta, pois essa movimentação necessita, além de recursos, de conhecimento para que seja assertiva. Um exemplo de empresa que está neste momento pesquisa é a CargoX – transportadora que opera conectada em tempo real a uma rede de mais de 100 mil caminhoneiros autônomos – que está estudando companhias que possam acrescentar a seu modelo de negócio. O investimento total deve alcançar R$ 15 milhões até o final de 2017.

O foco das análises serão pequenas e médias empresas do ramo de transporte, desta forma, a CargoX espera expandir sua atuação e aprimorar sua operação, aumentando assim seu valor agregado. “Acreditamos que esse modelo nos ajude a alcançar os números que projetamos. Nossa cultura deve ser mantida e nossos resultados ampliados, temos como foco aprimorar nossa presença no mercado”  declara Federico Vega, CEO da CargoX.

A companhia acredita que a cautela será uma grande aliada nesse estratégia, pois a análise possui diversas etapas e inúmeros indicadores serão estudados. Para Federico, a aquisição só será concluída se o negócio for benéfico para todos. “Os passos devem ser calculados com o objetivo de crescimento e otimização de nossas operações, diversos níveis operacionais são afetados com uma compra, desta forma, ela deve ser positiva em sua totalidade, assim teremos a segurança de que será um bom negócio” detalha.

Para o executivo, esse modelo de crescimento também será favorável para o desenvolvimento dos atuais colaboradores, já que o crescimento horizontal da empresa no mercado permite a criação de novos setores e o surgimento de oportunidades. “A aquisição não acrescenta somente no faturamento, ele dá robustez para a empresa e amplia as possibilidades internas, assim, é possível a valorização real de equipes e funcionários qualificados” detalha.

Empresa segue na contramão do mercado latinoamericano

Uma recente pesquisa realizada pela consultoria e auditoria norte-americana Grant Thornton, apresentou que o número de aquisições e fusões na América Latina tem como projeção queda de 16% para os próximos três anos, o que demonstra como a CargoX segue na contramão do mercado. A atuação da empresa tem como base a inovação e romper com o modelo tradicionalmente realizado, tendo como elo a tecnologia e a conexão com a maior frota de caminhoneiros autônomos do país.

Os estudos de aquisição reforçam o crescimento da CargoX, a companhia possui menos de 1 ano de atuação e após os primeiros 10 meses de vida já atingiu 90% de sua meta de faturamento anual de R$48 milhões. A evolução média por mês da transportadora é 57% e isso se reflete na estrutura da equipe que, atualmente, é composta por 120 funcionários com projeções de superar 700 colaboradores até dezembro de 2017. Eles são divididos entre as filiais já ativas de São Paulo, Mato Grosso e Buenos Aires (ARG), outras nas regiões Nordeste e Sul do Brasil devem ser inauguradas no futuro.

Semelhante ao Uber, plataforma de caronas mundialmente conhecida, a plataforma dispõe do aplicativo para o sistema Android, do Google, para que o caminhoneiro fique disponível para cargas, ele deve realizar o download e se cadastrar, em seguida, a CargoX entra em contato com o candidato para os procedimentos de aprovação. Há exigências como a data de fabricação do veículo, que não pode ultrapassar dez anos e duas gerenciadoras de risco avaliam os profissionais, incluindo habilitação, histórico nas estradas, incidentes com roubos de carga e etc. Quando aprovados, eles são encaminhados aos treinamentos da transportadora.

Na outra ponta do modelo estão os donos das cargas. Quando o cliente acessa o sistema da CargoX, a companhia verifica a disponibilidade de caminhões para aquela rota e prazo de entrega. Depois, entra em contato com os caminheiros e negocia o frete. A partir daí, assume a responsabilidade pela carga. Os veículos precisam ter capacidade para carregar entre 12,5 e 45 toneladas. Se as mercadorias de um cliente só preenchem uma fração do espaço, são identificadas cargas de outras empresas para completar a capacidade.