Desafios da logística: como superar os sinistros

Artigos

desafios da logística

Escrito por Ana Beatriz

Data: 27/12/2016

Um dos piores cenários para quem trabalha com transportes de carga é quando um de seus fretes sofre algum tipo de sinistro no processo de entrega. Dentre os desafios da logística, os mais delicados e impactantes são os roubos e falsificações de mercadorias e contrabando de outros materiais.

Além disso, é necessário assegurar que existam procedimentos prévios — eles precisam minimizar as chances de imprevistos acontecerem. Atuar de forma preventiva é um dos pontos-chave e um dos desafios da logística.

Para que se construa uma estratégia eficiente, é necessário saber algumas informações importantes. Elas ajudam a definir um perfil desses acontecimentos.

Brasil é líder mundial em roubo de cargas e prejuízo é bilionário

O Portal NoVarejo apresentou como o país está no topo da lista de países com a maior quantidade de roubos, à frente de países como México e África do Sul.

Dentre os dados destacados está o de que 55% das cargas não são recuperadas. Os produtos mais visados foram os das categorias de Alimentos & Bebidas, Eletrônicos e Produtos Agrícolas.

Outro ponto alarmante é que na maioria dos casos (66%), o caminhão estava em trânsito. Destes, 82% foram obrigados a parar, 15% foram parados em postos de gasolina e 3% pararam na estrada. Em 32% dos roubos de carga em trânsito os criminosos usavam jammers, equipamentos eletrônicos utilizados para bloquear o sinal de rastreadores.

Outro levantamento, desta vez realizado pela NTC e divulgado pelo G1, mostrou que em 2015 ocorreram 19.250 roubos de cargas no processo de entrega no país.

Essa contagem representa um aumento de cerca de 10% no número de crimes do tipo, em comparação com 2014. A alta resultou no maior prejuízo já registrado em valores: estima-se que R$ 1,12 bilhão foi perdido com os roubos.

Os entraves à economia

Não somente devido aos prejuízos antes mencionados, vale dizer que a situação atual gera dificuldades também no comércio direto, que passa a ficar mais caro, somando problemas nos negócios com importadores e comerciantes. Esse péssimo desempenho econômico distancia o Brasil das potências econômicas.

É importante que as empresas invistam com força nos processos logísticos para continuar a crescer no mercado, pois cada vez mais aquelas operações englobarão aperfeiçoamentos e a redução de custos nos diferentes segmentos na indústria.

Para que isso aconteça, o pensamento deve ser focado no longo prazo, ainda que o primeiro passo deva ser imediato — busque a consolidação do seu planejamento.

Considere as diversas questões, sejam elas de infraestrutura ou geográficas ou de investimentos. A terceirização pode ser um caminho viável, mas é preciso saber se é o movimento mais adequado para a sua empresa.

As técnicas de análise dos modais de transportes adequados

O trajeto da fábrica até o cliente final é onde se encontram os maiores desafios no processo de entrega. Seu grau de complexidade é alto, pois a demanda consiste em mais do que apenas o ato de carregar e descarregar produtos, é preciso identificar adequadamente qual é o modal mais adequado para o transporte das mercadorias — o transporte rodoviário, o marítimo, o ferroviário ou o aéreo.

Essa escolha deve ser feita de acordo com sua necessidade e com otimização de custos e prazos. Não existe um modal necessariamente melhor por suas características fixas, mas devem ser observadas as relações de custo-benefício para a empresa.

O sistema aeroviário

Se a questão é agilidade, o sistema aeroviário é o mais adequado, mas também é o mais caro. Normalmente utilizado para urgências, como produtos perecíveis.

Todavia, sua burocracia para liberação das encomendas pode atrasar em dias o processo de entrega, a depender do caso, o que pode atenuar sua proposta tão apregoada de agilidade.

Os sistemas marítimo e ferroviário

A procura de custo mais acessível nos direciona aos sistemas marítimos e ferroviários, porém o tempo em trânsito se torna bem maior, e a longa espera para entrega destaca uma ocasional desvantagem.

O sistema portuário brasileiro requer expansão — faltam equipamentos necessários para evitar a saturação das estruturas dos portos. Caminhões esperam em filas para descarregar mercadorias, e isso atrapalha amplamente os negócios. Junto a isso, também existe a falta de espaço para armazenagem nos portos brasileiros.

A modernização também é necessária no sistema ferroviário. Problemas como redução de velocidade, presente no modal, dificultam a eficiência nos traslados. Porém, os recursos destinados a este setor são parcos, e muitas das obras existentes em ferrovias não são concluídas.

O sistema rodoviário

Com esse quadro, o sistema rodoviário acaba sendo o mais viável no país, ao combinar os fatores de custo e tempo, ainda que o trajeto seja assombrado pela insegurança e trechos dificultosos. Isso gera uma concentração grande nesse modal de transportes, o que resulta em mais problemas.

A alta concentração no sistema rodoviário

O excesso de roteiros quase que exclusivos no sistema rodoviário para o processo de entrega é uma das maiores dificuldades no sistema de logística no Brasil. As rodovias já foram consideradas as melhores opções, porém hoje em dia trazem desvantagens preocupantes: grandes congestionamentos, insegurança, os perigos nos trajetos — por instabilidade das estradas ou por reiterado número de assaltos.

O problema também aparece no alto custo de investimento para o sistema rodoviário, juntamente à carência dos portos e dos aeroportos do país. Para se ter uma ideia sobre os portos brasileiros, em pesquisa realizada em 2010 pelo Fórum Econômico Mundial, o Brasil ocupou o 130º lugar entre 142 países avaliados.

Esse desbalanceamento também afeta o meio ambiente. O governo apresenta baixos investimentos em alternativas menos poluentes, e o consumo de óleo diesel se mostra altíssimo, tanto no sistema rodoviário quanto no aéreo. Ainda que o sistema aéreo consuma mais óleo diesel, o excesso nas rodovias é tão grande que torna o processo de entrega por este modal o mais poluidor do país.

Os custos com os transportes podem ser reduzidos com a ampliação de pontos como os centros de distribuição no país. Mas é preciso analisar os gastos para manter esses centros, assim como questões de fiscalização. E, novamente, de segurança.

Caminhões, cargas pesadas e jornadas dos caminhoneiros

Além de sua (falta de) infraestrutura, os problemas relacionados às questões práticas do sistema rodoviário também merecem destaque. De acordo com matéria divulgada na Revista Valor, a maioria dos caminhões circula na estrada há mais de 20 anos. Em comparação com países como os Estados Unidos, nossa frota é velha, pois lá o tempo máximo de uso é de 6 anos.

Muitos dos caminhões, além de antigos, trafegam com excesso de cargas, em torno de 18 horas por dia, trazendo jornadas extenuantes e arriscadas para os motoristas. Esses profissionais acabam recorrendo a medicamentos ilegais para se sustentar acordados durante o percurso, comprometendo sua qualidade de vida.

Tudo acaba convergindo para a incidência de acidentes na estrada, seja pelas rodovias já perigosas por escassez de conservação, seja por conta do peso levado pelos veículos e sua estrutura antiga. E ainda mais pelo cansaço de quem maneja o caminhão.

Como consequência desses problemas, a mão de obra sofre escassez, especialmente em períodos que a demanda é maior. São deficiências que perduram já por décadas, confirmando que o sistema de transporte do país precisa ser readaptado.

A falta de profissionais qualificados

Um dos problemas mais urgentes relacionados à logística é a dificuldade em encontrar profissionais qualificados para trabalhar no ramo. Algumas razões para isto podem ser facilmente apontadas. Por exemplo, as condições de trabalho ruins, salários baixos e o alto nível de estresse da atividade.

Um funcionário capacitado terá mais noções de economia, transporte, armazenagem, distribuição e também de infraestrutura. Em uma empresa, é indicado ao menos uma pessoa capacitada naquele rol de disciplinas, e uma boa dica pode ser a capacitação do próprio dono do negócio, pelo alto nível de responsabilidade que a função requer.

O profissional em logística deve ser flexível, pois o cenário está constantemente em mudança.

As informações prestadas à sua frota

No cenário conforme visualizado, os embarcadores e transportadoras devem preparar muito bem seus caminhoneiros. Eles necessitam estar prontos para aquelas ocasiões em que sejam abordados ou se vejam em uma situação de risco.

Ministre treinamentos e oriente esses profissionais! Eles devem seguir roteiros mais adequados, protegendo a carga e sua própria vida. Criar uma frota bem alinhada é um grande desafio da logística.

Dentre as principais orientações para evitar roubos, podemos destacar:

  • Evite oferecer carona para qualquer pessoa e contratar chapas desconhecidos.
  • Cuidado ao prestar qualquer tipo de auxílio. Isso pode ser uma armadilha! O melhor que se deve fazer é acionar as autoridades rodoviárias.
  • Quando realizar uma pausa para se alimentar, por exemplo, procure estacionar o veículo em um lugar seguro. Nunca deixe seu veículo sem qualquer tipo de vigilância.
  • Nunca estacione no acostamento para dormir. Além dos perigos que podem ocorrer com acidentes de trânsito, sua carga também pode estar em risco.
  • Caso perceba que algum veículo esteja seguindo seu caminhão, mantenha a calma e avise imediatamente a polícia rodoviária com as características do veículo e local.
  • Se caso você cruzar com algum veículo de carga e perceber qualquer tipo de comportamento estranho, fique atento! Avise a polícia rodoviária o quanto antes.

A rastreabilidade contra o contrabando

Segundo estimativa da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), os produtos ilegais movimentam anualmente R$ 782 bilhões no Brasil. Isso equivale ao porte da 17ª maior indústria nacional.

Combater o comércio ilegal de mercadorias é um dos maiores desafios de logística no Brasil. Isso atinge diretamente diversas camadas dentro da economia.

Os cofres públicos, a produção da indústria nacional, o nível de emprego e a segurança do consumidor são os mais afetados. Afinal, nunca se sabe se a procedência destes produtos e como irão afetar a vida dos consumidores.

Os bons sistemas de rastreabilidade são grandes aliados no momento de manter a segurança neste quesito. Mais do que rastrear cargas, a importância do sistema de rastreabilidade, quando bem orientado, é permitir que todos os elos envolvidos em uma cadeia de abastecimento tenham conhecimento sobre a origem de produtos.

As informações acerca da procedência e da idoneidade dos produtos começam a ser inseridas na origem. Tudo se inicia com a identificação do produto.

Portanto, empresas que enviam e recebem cargas de alimentos, medicamentos ou qualquer outro produto têm informações precisas. O desafio da logística é manter todo esse processo sem nenhum tipo de falha, permitindo maior transparência e segurança a toda cadeia.

O uso da tecnologia pode dar o suporte necessário para esse tipo de atuação, já que mantém as informações unificadas e sempre atualizadas sobre o processo de entrega. Softwares de gestão podem ser aliados também no controle de estoque.

As falsificações são desafios da logística contemporânea

As falsificações de mercadorias são um dos desafios mais delicados da logística. Esse quesito precisa de um gerenciamento de risco rigoroso! Qualquer falha pode danificar a imagem de sua empresa perante o mercado.

Muitas companhias acreditam que estão imunes a esse tipo de atuação fraudulenta, por causa de seu produto, mas se não lidam diretamente com os efeitos dela, sofrem indiretamente com as falsificações sem saber.

Elas acabam tendo que conviver com a concorrência desleal, já que suas “concorrentes” não pagam os impostos que deveriam, por exemplo.

Esse tipo de mercado ilegal costuma prosperar bastante em países em desenvolvimento, como o Brasil. Nesses países a distribuição de renda é desigual e os impostos muito altos. Diversas marcas são obrigadas a encarecer sua mercadoria por causa desses dois fatores.

Boa parte dos consumidores, por outro lado, consideram o preço que fora da sua realidade.

A falsificação se torna muito difícil de combater quando o consumidor passa a achar cômodo pagar por um produto “da mesma marca”, mas com um valor muito abaixo do esperado.

Os códigos de barra podem diminuir as chances de falsificações

De forma geral, a automação e a padronização de procedimentos que os códigos de barra dão suporte ao combate das inúmeras irregularidades.

Com a palavra “automação”, estamos nos referindo a qualquer processo que substitua a ação humana, tendo como objetivo tornar atividade mais rápida, segura, barata e eficiente

Manter essa identificação adequada é um dos desafios da logística, pois necessita de investimentos e qualificação da equipe.

Grandes empresas podem realizar isso com mais facilidade, mas PMEs podem possuir dificuldades nessa implementação.

Já sabemos que a logística é uma área de gestão complexa, porém, com trabalho e criatividade os desafios no processo de entrega podem ser superados.

Este artigo foi útil para você? Assine a nossa newsletter e receba mais conteúdos sobre os processos de logística!

FAÇA UMA COTAÇÃO COM A CARGOX

Compartilhe: